Embora não seja exatamente uma novidade, as conversas sobre política de privacidade começaram a pipocar com maior frequência desde o ano passado. E apesar de parecer coincidência, não é!

Afinal, esse termo está diretamente atrelado à LGPD ou Lei Geral de Proteção de Dados, que entrou em vigor no ano passado. Contudo, caso você seja novo no assunto, não se preocupe, pois estamos aqui para ajudá-lo.

Abaixo você encontra tudo sobre esse tipo de política, como ela funciona e a sua importância. Ainda, aproveite para conferir como desenvolver uma para a sua empresa e, assim, seguir a legislação que está em vigor no país.

Entenda tudo sobre políticas de privacidade

Chegou a hora de entender de uma vez por todas o que esses termos são e, também, do porquê você não deve ignorá-los ao entrar em um site! Afinal, a sua segurança e a de seus dados estão em jogo. Quer entender como? Veja!

As políticas de privacidade se aplicam ao ambiente online e dizem respeito ao resguardo dos seus dados. Em termos gerais, elas correspondem à declaração da empresa quanto à forma que ela lida com suas informações e, agora com a LGPD, especificamente, quanto aos seus dados pessoais.

Mas como assim? Pois bem. Toda a sua atuação online deixa rastros. Isto é, dados que são guardados pelos sites e pelas redes sociais e que dão informações sobre você. Igualmente, são gravadas pelo seu navegador. Contudo, isso não pode ocorrer inadvertidamente.

Ou seja, não cabe aos sites simplesmente colherem informações e as usarem como bem quiserem. Isso, aliás, é o foco da LGPD que deixou ainda mais evidente a necessidade de que um site contenha uma política de privacidade clara disponível.

Primeiramente, a coleta de dados somente pode ocorrer com a devida autorização do usuário. Sejam mediante consentimento expresso, ou outras Bases Legais da LGPD que amparem essa coleta feita pela empresa. Portanto, é você que escolhe e delimita quais são as informações que poderão ser recolhidas, armazenadas e eventualmente utilizadas.


Aqui está um enorme ganho, dado pela LGPD, para todos os cidadãos – Poder exercer seus direitos de acesso, ou restrição a tudo o que envolva os seus dados pessoais. Os cidadãos agora podem participar ativamente na decisão, com liberdade e amparados pela lei.

Todavia, não para por aí! Segundo a lei, então, as empresas não apenas têm responsabilidade sobre o recolhimento dos dados no limite da vontade dos visitantes de seus sites ou redes. 

Elas também devem demonstrar claramente como guardam e para que fins utilizam tais dados. Afinal, eles têm dono! E o uso deles deve seguir exatamente ao que se propõem, bem como garantir que as informações não vazem e causem muita dor de cabeça. 

Cookies x Política de Privacidade

Antes de vermos como essa política lhe afeta e como desenvolver uma com qualidade, cabe um esclarecimento. Afinal, muitas pessoas confundem os cookies e tais políticas. Embora estejam intimamente relacionados, não são sinônimos.

Sabe os dados que citamos ao longo do texto, como foco da política de privacidade? Pois bem, alguns deles têm captação por meio dos cookies! Afinal, a página precisa saber quais são os dados aos quais você dá permissão de acesso. Igualmente, deve ter conhecimento sobre quais são as marcas que ele pode deixar no seu navegador.

Esses dados geralmente são colhidos para fins de marketing digital, isto é, da divulgação de produtos e serviços por empresas na internet. Contudo, também auxiliam, muitas vezes, na própria navegabilidade e na experiência do visitante.

Mas como? Você provavelmente já entrou em sites que você já visitou e onde tem cadastro e, ao fazê-lo, deparou-se com o preenchimento automático de login e senha. Isso nada mais é do que a ação dessas “marcas” no seu navegador.

O mesmo acontece quando você analisou um produto, pensou, pensou, pensou e.. deixou-o no carrinho. Ele provavelmente lhe perseguiu depois disso, não é mesmo? Seja em publicidades em redes sociais ou em sites, com certeza não parou mais de aparecer.

Novamente, então, temos uma ação dos cookies, que dão informações de acessos às páginas. E, por isso, relacionam-se com os dados e com os cuidados que a LGPD reforça sobre eles.

Entenda mais sobre: Cookies e LGPD

E onde que a política de privacidade entra, mesmo? Pois ela é justamente a informação que o site dá ao visitante sobre como ela trata os dados, como os armazena, como garante a segurança deles e a validade de utilização. Tanto para os dados que permitam uma identificação direta – ou seja,  aqueles que diretamente identificam o cidadão (Nome, Email, CPF, RG, etc), quanto indireta, que quando combinados podem levar à pessoa final (IP, Endereço, Cargo e Profissão, etc)

Ou seja, a política funciona como um contrato de boas maneiras da empresa. Ela é importante por ser um comprometimento do site com o visitante. Com ela ele assume uma responsabilidade que deve ser seguida à risca.

Como fazer uma política de privacidade de acordo com a LGPD?

Agora que já sabemos tudo sobre as políticas de privacidade, o colhimento de dados e de cookies, e como a LGPD fez deles tão importantes, fica a pergunta: mas como fazer uma política de qualidade? Essa é uma questão crucial se você tiver um site, independentemente do fim que ele tenha.

Use termos simples e claros

Em primeiro lugar, é indispensável que os termos sejam claros. Deixe o juridiquês de lado e aposte em termos simples. Isso garante que eles não serão ignorados e, ao mesmo tempo, dão toda a noção sobre a atuação do site com os dados do usuário.

Não deixar espaço para dúvidas ou desconfianças é muito importante e ajuda também na construção da imagem da página. Por isso, lembre-se de adotar a linguagem simples e bastante clara.

Dê informações completas e informativas

Outra questão essencial ao desenvolver uma política de privacidade é ter informações completas. Ou seja, não deixe nada de fora e dê total noção do que está sendo feito com os dados e como é o cuidado com eles.

Dentre as informações indispensáveis estão:

  • Informações sobre a empresa por trás do site;
  • Qual é a fonte de coleta dos dados;
  • Como é o uso dos dados (finalidade);
  • Como são as políticas de cookies;
  • Informações sobre direitos do visitante;
  • Tempo de armazenamento.

Pode ser que com essa lista acima você se pergunte, mas como eu identifico tudo isso? Por onde eu começo? A resposta mais simples seria entender que a Política de Privacidade é o resultado de uma série de outras leituras e mapeamentos de dados que você deve percorrer para ter mais segurança ao escrevê-la. 

Por isso, abaixo dois artigos que podem te ajudar nos próximos passos:

Data Mapping ou Mapeamento de Dados, O Colete Salva Vidas do DPO

Qual a política de Privacidade Ideal para a sua empresa?

Conte com uma plataforma inteligente e automatizada de aviso de cookies

Como vimos anteriormente, a coleta de cookies e a política de privacidade andam de mãos dadas. Por isso, a nossa última dica não poderia deixar de ser outra! Ela corresponde à adoção de uma plataforma de aviso de cookies.

Com isso, seus visitantes têm acesso ao mesmo tempo à personalização e autorização dos cookies e à política que o site aplica sobre a privacidade deles. E, para isso, conte com a AdOpt, referência no mercado e que está aqui para lhe ajudar a cumprir com a LGPD e respeitar todos os direitos dos seus visitantes!

Saiba mais sobre o funcionamento de um aviso de cookies!

Show Full Content
Previous Como adequar o marketing digital à LGPD
Next Até quando podemos ignorar a LGPD?

Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close

NEXT STORY

Close

10 processos do marketing que você deve repensar na LGPD!

06/05/2021
Close